Glossário da Borgonha, desvende as palavras-chave desse universo fascinante

Bonjour !

Durante uma conversa entre uma taça de vinho e outra numa mesa de um restaurante aqui na Borgonha, estávamos comentando como o vinho nos aproxima, como ele é festivo e como faz parte da vida. Mesmo numa mesa com pessoas de diferentes áreas profissionais podemos ter uma troca imensa de informação de todos os lados. Como por exemplo, o que cada um sente do vinho, suas emoções, gostos, paladares diferentes, percepções etc… Uma das coisas que sempre descobrimos são palavras-chave usadas no mundo do vinho. Às vezes com a palavra certa podemos descrever melhor um vinho ou a sensação que ele nos traz e nos ajuda a acompanhar uma conversa sobre como foi aquela safra ou de como aquele vinho foi feito ou de onde ele veio ou até mesmo iniciar uma nova paixão: o mundo do vinho!

Anima Vinum  traz uma lista deste glossário, para você poder acompanhar de perto sobre esse mundo fascinante e alegre que é o vinho e quem sabe despertar uma vontade de estudar e degustar mais.

As palavras e expressões que vamos abordar aqui estão em francês e algumas já traduzidas. Procuramos não colocar em ordem alfabética, mas em uma ordem que faça sentido para compreendê-las.  Essas palavras ou expressões faz parte do cotidiano da Borgonha, talvez em outras regiões francesas encontraremos outros sinônimos. 

Preparem suas taças e voilá:

  1. “Vigneron e Viticulteur”: No dicionário francês as duas palavras têm a mesma descrição: aquele que cultiva as vinhas e produz vinhos. Mas o sentido deles é bem diferente. Viticultor é o homem/mulher mais técnico no assunto e aplica tudo nas vinhas. E Vigneron é o homem/mulher cujo o contato dele com as vinhas e vinhos, vêm de gerações, é um contato ancestral, há muito de empirismo secular no seu trabalho e um contexto folclórico, quase poético. 
  1. Proprietário: nome dados aos viticultores ou vignerons quando produzem e vendem os vinhos de suas próprias terras. 
  1. Negociante (négociant): quando os viticultores/vignerons vendem seus vinhos, mas que as uvas pode ter sido compradas de vinhedos e parcelas de outra pessoa.
  1. Terroir: Conjunto de vários fatores, características geográficas, climáticas e o conhecimento do Homem de como trabalhar a terra e o vinho (o famoso savoir-faire). Esse terroir transmite ao vinho os aromas, sabores e as características pelo qual ele é facilmente reconhecido. Por exemplo: o terroir de um vinho da apelação Village Gevrey-Chambertin é reconhecido por ter aromas intensos de frutas negras ou vermelhas, notas animais, é mais opulento, tem mais taninos pronunciados, uma boa acidez e tem uma sensação de teor alcoólico maior. Deguste o vinho Gevrey-Chambertin, 2014 do Domaine Alain Jeanniard.
  1. Parcela: é uma parte de um terreno de vinhas plantadas que constituem uma unidade denominada. Ou seja, são lotes de vinhas com nomes próprios dados ao longo de sua história, como por exemplo: Clos Vougeot, La Romanée, Les Cents Vignes, La Fussière, Fremiers, entre outros.
  1. Apelação de Origem Controlada (appelation d’origine contrôlée): Esse termo é muito comum na França e não só em vinhos, mas em todos os produtos agrícolas ou de criação de carnes ou aves. É um certificado, um selo de garantia que aquele produto, no caso o vinho da Borgonha, foi feito das uvas da Borgonha segundo uma série de regras e padrões, ou seja,  vinho tinto da apelação de origem controlada Bourgogne Rouge (Tinto) é um vinho produzido com 100% de uva Pinot Noir, que foi cultivada, colhida, vinificada, envelhecida e engarrafada numa Vinícola da Região/Village de uma das Côtes da Borgonha.

*Curiosidade: essa expressão é também usada para falar das mostardas, dos queijos, carnes, chocolates, etc. Se uma mostarda é feita com 100% dos seus grãos da Borgonha, ela é uma mostarda com apelação de origem e isso estará escrito na embalagem.

  1. Apelação (Appelacion): quando em uma conversa falamos somente a palavra “Apelação”, significa que o vinho é de origem controlada, mas também queremos dizer sobre a categoria segundo a sua qualidade. Na Borgonha é dividido em 4 categorias:
    Bourgogne Regional, Bourgogne Village, Premier Cru e Grand Cru.
    Usamos esse termo para poder comprar um vinho. Por exemplo: qual foi a apelação do vinho que você escolheu para o jantar de hoje à noite? Foi uma apelação Village Meursault, 2015 do Domaine Buisson Battault – um vinho da apelação de origem controlada Village Meursault, quer dizer que as suas uvas vieram da vila de Meursault de várias parcelas Villages. Ou como o vinho da apelação Premier Cru Chassagne Montrachet Clos Saint Jean, 2014 do Domaine Parigot. É um vinho da apelação controlada Premier Cru e suas uvas vieram da vila de Chassagne – Montrachet de uma única parcela Premier Cru chamada Clos Saint Jean.
  2. Mis en Bouteille: a tradução literal quer dizer engarrafado. Essa frase sempre está escrita numa etiqueta de vinhos seguido do nome do lugar onde ela foi engarrafada e serve para assegurar a qualidade do vinho. Veja o exemplo nessa garrafa de Pinot Noir Village Marsannay 2014 do Domaine Sylvain Pataille. Está escrito no rótulo “mis en bouteille par Domaine Sylvain Pataille”, ou seja, o vinho foi engarrafado no próprio Domaine pelo próprio produtor

 
*Uma pequena curiosidade: alguns anos atrás era permitido fazer o vinho na vinícola, vender em barris, transportando até o destino do comprador onde iria ser finalmente engarrafado. Por isso que em alguns rótulos antigos podemos encontrar “mis en bouteille par FULANO” e não o nome do produtor do vinho. Entretanto, nessa logística poderia  acontecer muita fraude, como por exemplo: o vinho era feito na Borgonha, vendidos 5 barris para um determinado comprador que engarrafava o equivalente a 6 barris, porque na etiqueta ele colocava que foi “mis em bouteille por FULANO” e não tinha como controlar o número de garrafas. 

Segundo as regras do INAO (Instituto Nacional de Origem de Apelação) um vinho da Borgonha só pode ser reconhecido como uma apelação de origem da Borgonha, se ele foi feito seguindo as regras pré-estipuladas e cultivado, colhido, vinificado, envelhecido (se for o caso) e engarrafado na Borgonha.

  1. Domaine: a tradução literal quer dizer domínio. No mundo do vinho usamos para falar de uma propriedade. Se um vigneron é dono de um Domaine, quer dizer que ele é proprietário de várias parcelas de vinhas diferentes espalhados pela Borgonha, e que todas as uvas são trazidas para um mesmo local, o seu Domaine, para serem fermentadas, vinificadas e engarrafadas. Por isso que nas etiquetas de vinhos da Borgonha costumamos ler “mis en bouteille au Domaine”: engarrafado no Domaine, na vinícola. Veja a etiqueta do vinho Chorey lès Beaune – Les Beaumonts 2015 do Domaine Arnoux Pere et Fils.
  2. Millésime: palavra francesa que quer dizer safra e usamos diariamente para descrever como foi o ano daquele vinho e assim ajudar na compra. Por exemplo o vinho Morey-Saint-Denis 2014, Domaine Alain Jeanniard. Seu millésime/safra foi o ano de 2016, marcado por um verão muito quente. Foi um millésime, uma safra solar.
  1. Monopole: Tradução literal é monopólio. Na Borgonha é raro e prestigioso ser dono de um monopólio de terra. Tudo devido a um fator histórico e também a lei de herança e sucessão da lei francesa. Assim como no Brasil, para receber uma herança é necessário pagar uma soma alta de impostos ao governo, o que torna a venda das suas terras, das parcelas de vinhas uma boa alternativa para os herdeiros. Os herdeiros de um monopólio de parcela de vinhas de monopólio, por exemplo 4 irmãos, vendem para 2, 3, 4 ou mais pessoas diferentes. Assim o monopólio é desfeito e por essa razão é muito comum achar na Borgonha uma parcela de vinhas, de por exemplo, 50 hectares com 80 proprietários diferentes. Então os poucos Domaines que possuem um monopólio sempre escrevem essa palavra na etiqueta, agregando valor ao seu vinho. Veja o exemplo no vinho Mercurey 1er Cru – Clos des Fourneaux – Monopole – 2015 – do Domaine Du Four Bassot
  1. Avoir mal aux cheveux (ter dor nos cabelos): é uma expressão francesa para dizer que você está de ressaca. A origem é simples: quando a ressaca é forte demais a dor de cabeça deixa sensível o couro cabeludo e às vezes o fato de você tocar nos cabelos rente ao couro dói. 
  1. Boire un canon: Expressão francesa usada entre amigos para dizer que vão beber e dependendo do contexto é usada para dizer que vão beber só excelentes vinhos! A origem da expressão: canon era uma antiga medida de capacidade de vinho usada no século XVI e que depois do século XIX virou sinônimo de uma taça de vinho.
  1. Bouchon: rolha
  1. Bouchonée: quando o vinho tem o defeito de ter odor de cachorro molhado ou de roupa mal seca. Ele é causado pela rolha contaminada ou por uma rolha de má qualidade quando permite que passe muito oxigênio dentro da garrafa, acelerando o processo de oxidação do vinho. Para evitar essas perdas os Domaines da Borgonha começam lentamente a usar rolhas de silicone como uma alternativa 100% eficaz. Geralmente um vinho bouchonée traz um sentimento de frustração enorme em todos aqueles com quem você iria compartilhar a garrafa.
  1. Tire-bouchon: saca-rolhas. O seu melhor amigo.
  1. Clos: um local fechado. No mundo da Borgonha um clos é um muro baixo feito de pedras para cercar as vinhas. 

Essas são algumas palavras e expressões que usamos no cotidiano dos vinhos da Borgonha. Acompanhe um pouco do nosso mundo dos vinhos através das nossas redes sociais e vamos colocar essas palavras em prática com uma bela taça de vinho em mãos!

FILTROS DE BUSCA

  • TIPO

  • REGIÃO

  • PRODUTOR

  • UVA

  • SAFRA

  • ORDENAÇÃO

  • Limpar filtros