Hautes-Côtes, conheça mais sobre as altas encostas na Borgonha

Hautes-Côtes, conheça mais sobre as altas encostas na Borgonha

Para os amantes da região, já se sabe que a Côte d’Or é uma área no norte da Borgonha que soma Côte de Beaune (vinhedos de vilas ao redor da cidade de Beaune) e Côte de Nuits (vinhedos de vilas ao redor da cidade de Nuits-Saint-Georges).

Como a Côtes de Nuits e a Côtes de Beaune, são formados por depressões onde os montes formam um declínio tipo “tobogã”, num relevo bem conhecido, onde nos altos abrigam pequenas florestas, logo após estas, nas partes ainda mais altas, encontram-se alguns terrenos apropriados ao plantios das uvas Chardonnay e Pinot Noir, por isso são chamadas Hautes-Côtes de Beaune e Hautes-Côtes de Nuits.

Foi no século XIX que a história vitivinícola dos vinhos Hautes-Côtes de Beaune e Hautes-Côtes de Nuits realmente começou. Hautes-Côtes de Beaune está logo acima de Pommard, enquanto Hautes-Côtes de Nuits está nas alturas de Gevrey-Chambertin a Corton.

Atualmente, são vinhedos em voga porque permitem que os viticultores da região cresçam, algo que não é mais possível nos AOCs da partes mais baixas que atingiram a saturação. Além disso, muitos amadores reconhecem a qualidade de seus vinhos que são ainda acessíveis.


Localização e características

As videiras desta denominação estão localizadas entre 300m e 400m acima do nível do mar, delimitada a oeste pelo relevo da costa e a leste pelo vale do Ouche.

Em contraste com as partes baixas do leste, o clima desse local é oceânico fresco, com influências continentais mais acentuadas no outono e inverno. Os invernos são severos, com períodos de geada e neve.

As temperaturas do verão permanecem baixas, o que explica a diferença de uma semana para o início da colheita. Dois terços das vinhas são plantados em videiras altas e em particular por razões térmicas.

Os vinicultores para tentar amenizar o frio, aproveitar a exposição solar e direcionar melhor as águas das chuvas, costumam plantar as vinhas nas encostas sul e oeste. aproveitando assim o máximo de exposição solar que o local oferece.

Já em relação ao solo, as Hautes-Côtes de Beaune e a Hautes-Côtes de Nuits, possuem em grande parte substratos de marlstone, ao contrário de solos formados por calcário, que são encontrados nas costas baixas da Região.

A denominação de Hautes-Côtes de Beaune abrange cerca de 800 hectares, que são espalhados por 30 comunas. São produzidas na região cerca de cinco milhões de garrafas a cada safra.

Enquanto isso, a Hautes-Côtes de Nuits abrange cerca de 700 hectares, distribuídos por 20 comunas. São produzidas no local cerca de 3,5 milhões de garrafas a cada safra.

A linha divisória entre a Hautes-Côtes de Beaune e a Hautes-Côtes de Nuits é o vilarejo de Magny-les-Villers.


Produções locais

Grande parte da produção das vinhas das Hautes-Côtes de Beaune são de tintos, predominando a uva Pinot Noir. Em seguida vem a produção de vinhos brancos que corresponde a cerca de 20% dessa denominação, para essa produção são utilizadas as uvas Chardonnay.

As produções de vinho Rosé da denominação são feitas a partir das uvas Pinot Noir e são pouco expressivas para a produção local.

Na Hautes-Côtes de Nuits o cenário não é muito diferente. Há predominância de vinhos tintos, feitos preponderantemente com Pinot Noir. Seguindo em segundo lugar, a produção de vinhos brancos que correspondem a 25% da produção local. E por fim, os vinhos Rosé, que correspondem à apenas uma fração da produção total.


Vinhos disponíveis em nosso catálogo

Graças a um delicado trabalho de garimpo e descoberta de grandes rótulos, nós da Anima Vinum conseguimos trazer para o nosso catálogo vinhos excelentes das duas AOCs:


Bourgogne Hautes Côtes de Beaune – 2014 – Domaine Francis Lechauve

Francis Lechauve, Domaine de cinco hectares em Moloisey, aldeia localizada a pouco mais de 10km a oeste de Beaune, dentro da Denominação de Origem (“Appellation d’Origine Controlée” – AOC) Hautes-Côtes de Beaune.

Com ar sereno e sorriso franco, Lechauve trabalha nas vinhas desde 1989 e faz parte da seleta equipe de Vignerons do Hospices de Beaune, é um dos grandes responsáveis pelo padrão de excelência que os vinhos da Instituição alcançaram.

Com sua assinatura, este belo Hautes-Côtes de Beaune de safra 2014, é um dos tintos mais desejados da região. Seu teor alcoólico é de 13%, ele é equilibrado e surpreendente. Chega a ficar em tempo de maturação por 17 meses em carvalho.


Hautes-Côtes de Beaune, 2014 – Domaine J-Y Devevey

Esse autêntico vinho branco produzido na Hautes-Côtes de Beaune, da safra 2014, é elaborado por J-Y Devevey e fica em fase de maturação por cerca de 12 meses em carvalho. O domaine tem o cultivo orgânico e biodinâmico.


Hautes-Côtes de Beaune Vieilles Vignes, 2014 – Domaine Parigot

Os vinicultores à frente da produção desse excepcional Chardonnay são Régis Parigot e seu filho Alexandre. O vinho branco após ser produzido fica por cerca de 9 meses em fase de maturação em carvalho.


Hautes-Côtes de Beaune Clos de la Perrière, 2014 Domaine Parigot

Esse vinho, assim como o anterior, também é produzido por Régis Parigot e seu filho Alexandre. Ele é um autêntico vinho tinto produzido com Pinot Noir e leva cerca de 12 meses de maturação em carvalho.


Hautes-Côtes de Nuits, 2015 Domaine Alain Jeanniard

Esse vinho produzido por Alain Jeanniard, é um excepcional tinto cuja a safra é 2015. Seu tempo de maturação é de 12 meses em barril.


Agora que você conhece as Hautes-Côtes de Beaune e a Haute-Côtes de Nuits e sua produção local, não se esqueça de consultar nosso catálogo. E se tiver alguma dúvida não deixe de nos contactar.

FILTROS DE BUSCA

  • TIPO

  • REGIÃO

  • PRODUTOR

  • UVA

  • SAFRA

  • ORDENAÇÃO

  • Limpar filtros